quarta-feira, 30 de junho de 2010

Doutor, em português...se faz favor!

Os médicos! Já aqui o disse, mas não percebo a razão pela qual os médicos quando questionados pelo doente sobre o seu estado de saúde, teimam em usar termos técnicos quando sabem perfeitamente que quem os ouve não vai perceber absolutamente nada! O paciente pode ser uma criança de 10 anos ou um adulto de 90 que não há forma do Doutor evitar o discurso técnico. Aliás, este deve ser a área onde além de não se perceber a letra da generalidade dos médicos nas receitas que prescrevem, também não se percebe o seu discurso. Quanto a mim, o uso daquela "linguagem médica" pode provocar, inclusive, uma maior preocupação no paciente por julgar que tem algo muito grave, só porque o médico insiste em falar "mediquês"... em vez de português... dizendo num minuto o que poderia e deveria dizer em 3 segundos! Exemplifiquemos uma dessas consultas:
Paciente
: Sr. Doutor, já sabe os resultados dos meus exames?!
Médico:
Lamento, mas não tenho boas notícias, Sr. Fastaporra!
Paciente
: É grave, Sr. Doutor?! :S
Médico: Os exames laboratoriais, revelaram que o senhor é portador de adenocarcinoma de Pulmão com metástases em coluna lombo-sacra e por esse motivo terá de realizar um tratamento radioterapeutico e quimioterapeutico. Necessita, por isso, de cuidados médicos diários para a aplicação subcutânea de medicação e controle de exames de sangue… já que há o risco de crises de hipertensão arterial e sangramento!
Paciente:
Ok, Doutor… já sei que o senhor é médico... mas que tal falar português comigo?!
Enfim... não seria mais prático o Sr. Doutor dizer que o Sr. Fastaporra tem cancro no pulmão e nos ossos?! Com este paleio todo ainda o assusta e fá-lo sofrer por antecipação, temendo o pior, desnecessariamente!!

25 comentários:

A minha essência disse...

Esta atitude a meu ver é de quem se acha superior aos demais!

Gostei da consulta assim às três pancadas aqui no consultório Bloguótico! O nome do paciente então... de ir às lágrimas! ;)

Miss Murder disse...

LOOL completamente desnecessário o sofrimento, pffuuh cancro.. pfuuh nos pulmoes e nos ossos!

Ritinha disse...

o doente estava realmente a sofrer sem necessidade nenhuma xD
mas é verdade... mais valia aos médicos irem directos ao assunto!

Ana disse...

Eu acho que já lhe bastava chamar-se Fastaporra para o sofrimento ser enorme:-))

Di disse...

Olha, por acaso eu só tenho médicos boa onda xD Nada de discursos técnicos, só bom português!

Beijo*

...Ju... disse...

e tu não arranjavas uma doença menos drástica?! :P Vais logo por o homem (ao qual já não bastava o nome!) ainda tem que ter logo isso tudo?! :)

há nomes tão "giros" no dicionário médico! alguns até são dificeis de ler! só mesmo escrevendo! :P

Vera, a Loira disse...

Não te preocupes Bloguótico, eu trato já de perguntar ao meu médico mais próximo o porquê de não irem directos ao assunto. Se ele me der uma explicação em Português eu venho cá informar, se ele me der uma explicação em "Mediquês", fico a olhar com ele com cara de parvinha e continuamos com estas dúvidas existencias.

Shell disse...

Mau mau mau ! Eu tenho que vir aqui defender os médicos :p Na verdade o médico deve ter ficado assustado com o nome do paciente... Ora Fastaporra parece um nome da realeza, de modos que o médico teve que arrojar o discurso para não parecer mal :p *

Fátima disse...

Triste seria o médico dizer: "O senhor está com o pé na cova! Mas não se preocupe que a gente vai arranjar-lhe umas drogas maneiras sendo que nunca mais saberá por onde anda, não é fixe?!"

Eles tem que usar esses termos técnicos porque andaram lá a estudar a vida inteira e querem passar da teoria à prática... Mas será que tenho que ser eu a explicar tudo?! ;P

Até parece que os senhores advogados não estão sempre a usar termos legais e artigos 236ª do código do processo civil e o diabo a 4, pfff uma chatice é o que é! ;)

Roxanne disse...

que desgraça! o problema do homem começou quando os pais o batizaram! =D

Antonio Branco disse...

Pensa nisto: não te posso dizer à primeira que tens cancro. Tenho de te preparar. Uma forma é dizer-te que ainda não sei os resultados e ir atrasando a resposta... A linguagem que talvez não percebas pode ser outra forma: pode ser um amortecedor. Depois de não teres percebido o que te digo ficas desconfiado. Se continuares com a pergunta, levas com a verdade. Nua e crua. Ou seja, com a sentença de morte (pensa no que representa isto para um doente - pensa no que significaria para ti). Não acredito que a maioria dos médicos usem essa linguagem por snobismo. É mais por defesa e (por vezes, entre os médicos que só vivem a medicina e pouco mais - não saem de congressos, não lêem mais nada do que medicina, só se dão com colegas) por ser uma forma de estar na vida. A forma de comunicar assim como defesa é-o (defesa) para o médico e para o doente, que na maioria das vezes não quer saber a verdade, se a verdade for muito cruel (garanto-te que é assim). Haverá alguns snobs... mas isso... merdosos há em todo o lado.

Um abraço!

MM disse...

Onde é que estão os outros mel comentários?... Anda a fazer publicidade enganosa.

Rainbow disse...

Ora muito bem! Uma pessoa aí a sofrer quando só tem cancro nos pulmões e nos ossos! Nada de grave! xD

pink poison disse...

Se dissesses BARDAMERDA, ele ia entender-te na perfeição...

Ricardo disse...

sabes uma coisa que eu sempre digo? quando as pessoas usam muitos nomes técnicos é porque sentem necessidade de mostrar que sabem mais que as pessoas com quem falam - em termos simples, uns meros cagões.
Enfim... realmente não tinhas uma coisinha mais soft? xD tadinho do senhor xD

Megan disse...

Ora lá está, eles devem ter mesmo uma língua diferente da nossa, tanto quando estão a explicar o que o doente tem, como quando escrevem uma receita. Eu olho para aquilo e só vejo ondinhas, se eu fosse uma criança pensava que aquilo era o mar e desenhava o sol.
Credo.
Belo exemplo de uma consulta, então o nome do doente está um máximo.

Com tantas mentes inteligentes, inovadoras e criadoras..que há neste mundo, ainda ninguém se lembrou de fazer um dicionário "mediquês". :p

a Gaja disse...

é a realidade dos nossos médicos. Cumulo é eu ser atendida por um que além de usar esses termos todos ainda é em inglês. se já estava confusa ainda fiquei mais. Só me faltou apontar todos os termos que não conhecia e ir procurar no tradutor,lol

Bloguótico disse...

- A MINHA ESSÊNCIA: não sei se assim será... mas a verdade é que dizer aquilo ou falar grego para um espanhol que apenas percebe russo vai dar praticamente ao mesmo! LOL
Devo dizer que o baptismo do paciente não foi por mim feito... mas garanto-te que a alternativa sugerida conseguia ser ainda "pior"! Já não basta saber que tem uma doença e ainda tem de levar com akele nome em cima! LOOOL

- MISS MURDER: lá está!... agora explica isso ao "Xotôr"!! LOOOL

Bloguótico disse...

- RITINHA: como se percebeu! LOL
Claro que há modos e modos de se dar uma notícia... mas neste caso a ideia é dar a entender do que padece o paciente e não aumentar-lhe as dúvidas ou incertezas! :S

- ANA: e consta-se que, para os amigos, era o "Porra"! LOL

- DI: há médicos e médicos, naturalmente!! Acredito até que a maioria, no dia a dia, tenha em consideração que o destinatário das informação não estudou medicina... mas conheço poucos! :D

Bloguótico disse...

- ...JU...: confesso que ainda pensei diagnosticar-lhe uma outra doença "crónica"!... mas axei o blogue ainda mais drástico! LOL

- VERA, A LOIRA: eternamente grato!! Sugiro é que, à cautela, te faças acompanhar do dicionário "mediquê" de que a "Ju" falou!... É que algo me diz que não terás sucesso! LOOL

- SHELL: não te quero sozinha nessa luta... fica a promessa de que tratarei de os defender num póximo post! :D
Knt à Realeza Fastaporra... está tudo explicado, então!! Agora faz todo o sentido!! LOOOL

Bloguótico disse...

- FÁTIMA: obrigado pela explicação! :D
Tecniquices todos as têm, claro!!... mas nestes casos, creio que não há necessidade de se ser tão rigorosos com os doentes! Afinal de contas vão continuar sem perceber o que têm... e só knd o médico lhe falar em português perceberá! :D

- ROXANNE: acho que o problema já era de família!... Parece que o pai do sujeito era o "Fastavida"! LOL

Bloguótico disse...

- ANTÓNIO BRANCO: em certa medida, até percebo a ideia do uso de "eufemismo"... Todavia tal ñ me parece viável já k o eufemismo serve para disfarçar algo desagradável por meio de expressões mais suaves... e akeles termos todos não me parece k se enquadrem nessa suavidade!
Creio que a conversa "amortecedor" seria desnecessária... afinal de contas, minutos depois, o médico será forçado a "falar português" quando interrogado pelo doente sobre o "bla bla bla" acabado de ouvir!...
Obrigado pela visita e sê bem-vindo ao "crónica"! :D

Bloguótico disse...

- MM: publicidade enganosa?!! Isso não é dizer que se tem uma coisa e, na verdade, não a ter?!! Não percebo pk o dizes neste post! LOOOOL

- RAINBOW: vejo que consegui transmitir a mensagem do post! LOOL

- PINK POISON: e julgava eu que "Fastaporra" já era mau de mais! LOOL

Bloguótico disse...

- RICARDO: os médicos, em particular, são como o Cristiano Ronaldo: tecnicistas! LOOOL
Coisa mais soft?! Pensei numa unha encravada... mas não consegui imaginar como seria que um médico o diria, em mediquês! LOL
Obrigado pela visita e sê bem-vindo ao "crónica"! :D

- MEGAN: uma coisa é certa, são coerente: tanto não se percebe o que dizem como o que escrevem... perdão, sarrabiscam! LOOL

- A GAJA: dentro de pouco tempo vai ser necessário um doente fazer-se acompanhar de um intérprete no consultório! LOOOL

ADEK disse...

Esse é o teu exemplo de conversa médica imperceptível?? Tenho que te ensinar uns truques novos então:P ehehe